Amy & Matthew

Autora: Cammie McGovern
Editora: Galera Record
Ano:
Edição: 1
Páginas: 336
Original: Say What You Will


Dedicatória:

Para minha mãe e meu pai. Em seus 54 anos de casamento, vocês são exemplos perfeitos da minha crença de que as maiores histórias de amor começam com grandes amizades…

IMAG1820

 

O fim de ano reserva momentos especiais em família. Por ser um período festivo, a gente sempre aguarda bons sentimentos, votos de um ano melhor, com leveza e amor. A esperança da leveza e do amor nortearam a escolha deste livro.

Peguei este sick-lit pela capa, a qual achei de uma delicadeza infinita. Narrado em terceira pessoa, conta a história de dois adolescentes, Amy e Matthew. Amy tem paralisia cerebral, oriunda de um aneurisma ocorrido no seu nascimento. Ela usa andador, tem um aparelho sintetizador de voz chamado Pathway que a ajuda a falar (ela digita com sua mão “boa”) e precisa da ajuda de cuidadores profissionais durante o período de aulas, já que tem dificuldades motoras. Ela conhece Matthew da escola, mas somente superficialmente. É quando ela tem a brilhante ideia de arrumar alunos cuidadores da própria escola, para ajudá-la na interação social.

Sua mãe superprotetora Nicole, reúne os candidatos e faz uma mini palestra cheia de instruções e advertências acerca das necessidades de Amy. Matthew é um deles.

A amizade com Matthew surge de forma natural. E apesar de sua aparência “normal”, Matthew é refém de TOC. Esse medo irracional de coisas ruins acontecerem devido ao não cumprimento de tarefas ditada por uma voz em sua cabeça, acabavam transformando-se em rituais, fazendo com que seu grau de introversão e reclusão aumentasse a cada dia mais.

Ambientado nos dias atuais, com muitos diálogos feitos por troca de mensagens, emails e idas ao Outback, é um romance bem humorado para você ler em um ou dois dias. A leitura fluida só perde o ritmo no final, quando o enredo acelera e um acontecimento inesperado ocorre com Amy. Apesar de o desfecho não ter me emocionado, a leitura vale à pena.

 


Destaques:

[1] – Perguntei se eu poderia ajudar porque nunca fui capaz de fazer isso por ninguém. Queria ver se eu conseguia. É terrível ser sempre a pessoa que precisa de ajuda. Me desculpe se me enganei. Esse negócio de ter amigos é tão novo pra mim que às vezes cometo erros.

[2] Mas concluí que é possível amar alguém por razões inteiramente altruístas, por
todas as suas falhas e fraquezas, e ainda assim não ter este amor
correspondido. É triste, talvez, mas não trágico, a menos que você fique
buscando seus afetos esquivos para sempre.

[3] Nossas fraquezas se combinam muito bem. Nós preenchemos as lacunas
um do outro.

[4] Mas isso não tinha importância. Tudo já tinha acabado, exceto pela parte da papelada e das festas. Alguns alunos do último ano tinham deixado de ir à escola completamente. Com tempo extra e nada para fazer, Matthew começou a ler. Leu tudo de J.D. Salinger, que era surpreendentemente engraçado até ficar estranho e impenetrável. — ELE NUNCA SE RECUPEROU DA ÉPOCA QUE PASSOU NA GUERRA — explicou Amy. — Ou na escola — supôs Matthew.

 

Anúncios

Sobre carolinayji

Desde que me conheço por gente, há algumas décadas, sou eu.
Esta entrada foi publicada em Cammie McGovern. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s