A Mulher Que Matou Os Peixes.

A Mulher Que Matou Os Peixes
Autora: Clarice Lispector
Editora: Rocco
Ano: 1999
Edição: 1
Páginas: 32
Original: A Mulher Que Matou Os Peixes.

Dedicatória:
Para Nicole e Cássio Para João, Mark e Giancarlo Para Karin, Letícia, Mônica, Zilda e Azalia sobretudo para a Campanha Nacional da Criança.

IMG-20151123-WA0010

 

Finalmente chegou a hora de ler meu primeiro livro de Clarice Lispector. Desde 2011, o ano que li sua biografia escrita pelo autor norte americano Benjamin Moser, adio a estreia de Clarice na minha estante. Para marcar o début de Lispector, resolvi escolher um livro infantil.

Clarice aborda, de uma forma muito criativa e doce, um dos temas mais difíceis de se conversar com crianças: a morte.

O livro é narrado em primeira pessoa, por uma personagem chamada Clarice. Penso que possa ser ela, uma vez que ela também tem um filho (o dono dos dois peixinhos vermelhos – que imagino serem meus amigos kinguios) e por ter um cão chamado Dilermando, que também aparece na biografia retratada por Moser). Ela já começa a história contando que matou os dois peixinhos sem querer e antes de contar como, ela enumera vários animais de estimação que teve ao longo da vida, tudo para nos provar que gosta de animais e que não teve a intenção de matar os dois peixinhos vermelhos, mas que sim, teve culpa na morte.

Uma das histórias que ela conta, é a de dois cachorros que eram amigos e por ciúme do dono de um deles, acabam brigando até a morte de um dos cães. Depois de contar como tudo aconteceu, Clarice fala: “Vocês ficaram tristes com essa história? Vou fazer um pedido para vocês: todas as vezes que vocês se sentirem solitários, isto é, sozinhos, procurem uma pessoa para conversar. Escolham uma pessoa grande que seja muito boa para crianças e que entenda que às vezes um menino ou uma menina estão sofrendo…”. Esta passagem retrata a reflexão da importância de a criança conversar com um adulto em uma hora difícil.

Clarice lança uma estratégia (ainda que não intencional) de cativar as crianças, contando suas experiências e perguntando se os pequenos leitores a perdoam devido à morte dos peixinhos. Depois de tudo exposto, é difícil não perdoá-la. Darei um exemplar desde livro físico ao meu afilhado, assim que ele começar a ler.

 

Destaques:

[1] Tenho esperanças de que até o fim do livro vocês possam me perdoar.
Antes de começar, quero que vocês saibam que meu nome é Clarice. E vocês, como se chamam? Digam baixinho o nome de vocês e meu coração vai ouvir.

[2] Quanto a mim, foi só olhar que logo me apaixonei pela cara dele. Apesar de ser italiano, tinha cara de brasileiro e cara de quem se chama Dilermando. Paguei um dinheiro para a dona dele e levei Dilermando para casa. Logo dei comida a ele. Ele parecia tão feliz por eu ser dona dele que passou o dia inteiro olhando para mim e abanando o rabo. Vai ver que a outra dona dele batia nele, de modo que Dilermando estava feliz em mudar de dona.

 

Anúncios

Sobre carolinayji

Desde que me conheço por gente, há algumas décadas, sou eu.
Esta entrada foi publicada em Clarice Lispector. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s