O Último Adeus

Autor: Cynthia Hand
Editora: Darkside Books
Ano: 2016
Edição: 1
Páginas: 352

Tradução: Carolina Coelho
Original: The Last Time We Say Goodbye

 
Dedicatória:
Para Jeff. 
Porque esta é a única maneira com a qual sei alcançar você.

img_20161218_164622

Meu amigo Nelson me deu este livro, que foi o último que comecei a ler em 2016 e o primeiro que terminei em 2017. Ele disse que o livro parecia comigo, e realmente, acertou. O projeto gráfico é cuidadosamente bonito (capa dura soft touch) da Retina 78, e por dentro, as páginas simulam rabiscos de caneta Bic azul, como estes que fazemos quando estamos ao telefone em uma reunião prolongada ou esperando que a atendente do cartão de crédito transfira a ligação para o setor correto.

Este é um livro bonito sobre suicídio. Você pode achar estranho ou mórbido da minha parte ter gostado, garanto, mas não é. Narrado por Alexis, uma jovem nerd de 18 anos que entra para o MIT (ela é fissurada por Fibonacci), mora com a mãe (seus pais são separados) e perde o irmão, que se matou com um tiro na cabeça na garagem de casa usando o rifle de caça do pai.

Logo de início, entendemos que o irmão de Alexis, Tyler (ou Ty), se suicidou, mas ainda não sabemos o motivo. Sua mãe e seu pai se vêem obrigados a enviar Alexis a um terapeuta, para que ela converse com ele sobre o ocorrido. Ele sugere que ela escreva em um caderno tudo o que sente, para que facilite a expressão, já que ela não se sente à vontade com o terapeuta.

Tyler deixa um post it amarelo com a única frase: “Desculpa, mãe, mas eu estava muito vazio”. Este mistério permeia o livro, junto com uma carta de conteúdo desconhecido, que Alexis precisa entregar a uma garota.

O livro possui ainda várias indicações e referências literárias, desde Kafka com a Metamorfose a livros mais contemporâneos, como O Caçador de Pipas de Khaled Hosseini.

Antes que você pense que o livro traz uma tentativa de auto-ajuda, a mensagem final do livro não é nada sobre suicídio. É sobre a importância de dizermos tudo o que sentimos às pessoas que amamos. Principalmente, prestar atenção em cada detalhe. Sei bem o que isso significa: no dia que meu pai mais precisou de mim, deixei o celular no modo silencioso e dormi. Ele havia me ligado de noite para que eu o levasse ao hospital, pois estava passando muito mal na rua. Eu não atendi. Felizmente, o pior não aconteceu, mas desde este dia, nunca mais deixei o celular no silencioso, como Alexis fez em uma certa passagem do livro. A vida é frágil. Nossos momentos, ainda mais.

Vocês sabiam que Setembro foi colorido de amarelo, para ilustrar a campanha preventiva de suicídios? A depressão é uma doença invisível e muito subestimada, especialmente no Brasil. Nos agradecimentos, ao final do livro, a autora conta que perdeu um irmão em 1999, quando ele se suicidou aos 17 anos (ela tinha 20).

Leia este livro. Chorei. Chorei por Tyler, pelo irmão de Cynthia. Mas principalmente, por mim.

Destaques:

[1] “- Você está parecendo a equação de Euler. – murmurou ele, olhando para mim de cima a baixo.

Tradução nerd: dizem que a equação de Euler é a fórmula mais perfeita já feita. Simples mas elegante. Bonita.”

[2] Ele não escreveu um bilhete ao nosso pai. Nem a nenhum de seus amigos. Nem a mim. Só deixou essas sete palavras escritas em um Post-it amarelo, colado no espelho do quarto. Sua única explicação.

[3] “- Não compreendo”, falei ao olhar para as rosas envoltas em plástico. “Por que dar a uma garota algo que deveria representar o amor e que vai murchar e morrer em poucas horas?” 

Ele riu e disse que era uma maneira muito pessimista de ver a vida. Dei de ombros. 
Então, o garoto disse: “As melhores coisas são assim, Lex, as mais lindas. Parte da beleza vem do fato de elas viverem pouco”. Ele pegou um buquê de rosas bem vermelhas, e entregou a mim. “Estas flores nunca mais serão tão lindas assim, por isso temos que apreciá-las agora”.

[4] Dave mexe na barba, que é o que faz quando está prestes a dizer algo incrivelmente profundo. “O perdão é confuso, Alexis, porque, no fim, tem mais a ver com você do que com a pessoa que está sendo perdoada.” 

“Como aquele velho ditado que diz que a guardar mágoa é como beber veneno e esperar que a outra pessoa morra.”

[5] Ele pede um mocha de caramelo. Nós nos sentamos em uma mesa por um tempo e falamos sobre Kafka. Damian me sugere alguns outros livros: Crime e Castigo, de Dostoiévski, e Dublinenses, de Jaymes Joyce, e Moby Dick, de Herman Melville. Vou passar um tempo ocupada até ler tudo.

Anúncios

Sobre carolinayji

Desde que me conheço por gente, há algumas décadas, sou eu.
Esta entrada foi publicada em Cynthia Hand. ligação permanente.

Uma resposta a O Último Adeus

  1. TdA diz:

    Os livros da Dark Side são ótimos!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s