Vermelho Amargo.

Vermelho Amargo
Autor: Bartolomeu Campos de Queirós
Editora: Cosac Naify
Ano: 2011
Edição: 4 impressão, 2013
Páginas: 72
IMG_20141113_074750

 

Prosa poética é meu estilo literário favorito desde a adolescência. Aliado ao meu assunto também favorito (a ausência) é como juntar Nutella com sorvete.

Depois de perder a mãe em uma manhã fria de Maio, o narrador, um menino de poucos anos (talvez sete), passa a conviver com a lembrança que ela deixou. Tudo remete a ela. Por ser reconhecidamente de cunho autobiográfico, Bartolomeu Campos de Queirós revisita a memória de sua infância e preenche as (poucas) 65 páginas de lirismo, melancolia, partidas e sentimentos.

Acompanhamos o cotidiano e a partida de cada um dos cinco irmãos do narrador. A narrativa é tão sutil, tão metafórica que fica difícil até perceber o que precisamos entender. Nenhum dos personagens revelam seus nomes.

Para o lugar da mãe, o pai alcoólatra traz a madrasta. O antagonismo Mãe x Madrasta apresenta-se dilacerante e ao mesmo tempo discreto. Simples ações como fatiar o tomate tonificam as discrepâncias entre as duas. Cada palavra parece ter sido escolhida a dedo, cada sonoridade, cada singularidade dos adjetivos propostos ajudam a compor o grande mosaico de solidão e dor e a capacidade de amar do narrador. O tomate, elemento sempre presente no cotidiano da família representa o vermelho amargo da ausência da mãe.

Apesar de o amor estar presente em quase todas as páginas, o livro, sobretudo é sobre morte, ausência e perda, como descrito em: “Exige-se longo tempo e paciência para enterrar uma ausência. Aquele que se foi ocupa todos os vazios. Como água, também a ausência não permite o vácuo. Ela se instala mesmo entre as pausas das palavras. Na morte, a ausência ganha mais presença. É substantivo e concreto tudo aquilo que permanece. Daí, os mortos passarem entre nós. Jamais imaginei seu espírito transfigurado em fruto.”

A carga emocional do narrador, consciente de si e repleta de pessimismo complementa o ar de melancolia e saudade: Aturdido. Eis uma palavra muda traçando fronteira com a loucura. Só hoje descubro esta sonoridade surda morando em mim, ainda menino. Aturdido pelo medo de, no futuro, não ganhar corpo, e não suportar o peso das caixas de manteiga. Aturdido por ter as carnes atrofiadas sobre os ossos. Aturdido por ter a alma como carga, e suportá-la para viver o eterno que existia depois de mim. Aturdido por ser mortal abrigando o imortal. Aturdido pelo receio de descumprir as promessas deixadas aos pés dos santos. Aturdido pela desconfiança de a vida ser uma definitiva mentira. Aturdido por vislumbrar o vago mundo como fantasia de Deus, em momento de ócio.”

O projeto gráfico do livro merece destaque. A capa é vermelha, as extremidades das páginas e a fonte usada, também vermelhas, complementando um diálogo central com o tema e os tomates.

Destaques:

[1] “A mãe partiu cedo – manhã seca e fria de maio – sem levar o amor que diziam eu “ter por ela. Daí, veio me sobrar amor e sem ter a quem amar. Nas manhãs de maio o ar é frio e seco, assim como retruca o coração nos abandonos. Ela viajou indignada, por não ser consultada. “

[2] “Sobre os dias, a ausência da mãe ganhava corpo. O tempo – capaz de trocar a roupa do mundo – não consumia sua lembrança. Quando se ama, em cada dia o morto nasce mais. Em tudo, sua ausência estava presente. “

[3] “Coração do outro é uma terra que ninguém pisa. Minha mãe repetia essa oração quando recebia a visita de muda melancolia. Meu coração estava pisado pelo amor, e só eu sabia. Era um caminhar manso como pata de gato traiçoeiro. Fugia com meu amor para todas as penumbras. Seis minutos eram suficientes para a saudade me transbordar. Fui, desde pequeno, contra matar a saudade. Saudade é sentimento que a gente cultiva com o regador para preservar o cheiro de terra encharcada. É bom deixa-la florescer, vê-la brotar como cachos de tomates, desde que permaneçam verdes e longe de faca afiada. Nada mais tem açúcar que um tomate verde.”

Anúncios

Sobre carolinayji

Desde que me conheço por gente, há algumas décadas, sou eu.
Esta entrada foi publicada em Bartolomeu Campos de Queirós. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s