Divórcio

Divórcio
Autor: Ricardo Lísias
Editora: Alfaguara
Ano: 2013
Edição: 1ª
Páginas: 234

Imagem

“ – Divórcio? Mas como se você nem casou ainda, Carol?” 

Geralmente essa era a primeira pergunta que as pessoas me faziam quando eu respondia que estava a ler “Divórcio”.

Este foi o primeiro livro que li do Ricardo Lísias. Apesar de já conhecer seu nome, por causa do Céu dos Suicidas e do Livro dos Mandarins, ainda não tinha lido nada dele. Gostei bastante do estilo da narrativa: em primeira pessoa e dotado de angústia.

Diferente de qualquer coisa que já li, Ricardo Lísias atende pelo nome do autor e do narrador, também personagem da história. A verossimilhança é um fato à parte nesta história, e confesso, causou-se uma certa confusão. A primeira frase do livro é: Depois de quatro dias sem dormir, achei que tivesse morrido.

O título é bem direto. Começa com o narrador contando que foi traído pela esposa, a “maior jornalista de cultura do Brasil”, apenas quatro meses após o casamento dos dois. A descoberta acontece quando ele lê o diário escrito por ela enquanto dormia. Aí está algo que me incomodou. A curiosidade em saber o que o outro sente, no secreto da sua privacidade é uma coisa que não faria jamais. Sempre tive diários, desde que comecei a escrever, sendo um hábito incentivado pela minha mãe. Lembro como se fosse hoje, o dia que ela trouxe um diário que tinha um cadeado. Aqui, ela disse, você escreve o que sente, como foi seu dia. Ninguém tem o direito de pegar e ler. Coincidentemente, esses dias, arrumando um de meus armários, encontrei um dos meus inúmeros diários e abri justamente no dia em que minha avó faleceu. Li boas lembranças, e vejo como as coisas mudaram deste tempo para cá.

A narrativa é forte e um pouco doída. Principalmente em partes como: “Depois de quatro dias sem dormir, achei que tivesse morrido. Meu corpo deitado na cama que comprei quando saí de casa. Olhei-me de uma distância de dois metros e, além de olhos vidrados, tive coragem apenas para conferir a respiração. Meu tórax não se movia. Esperei alguns minutos e conferi de novo. A gente vive a morte acordado.”

Um exemplo do ponto de vista da ex-esposa descrito no diário: Imagina eu tendo um filho com o autista com quem me casei. O Ricardo é patético, qualquer criança teria vergonha de ter um pai desse. Casei com um homem que não viveu. O Ricardo ficou trancado dentro de um quarto lendo a vida toda”. Dispensável.

Gostei do paralelismo entre o fim do casamento e a catástrofe. Os capítulos são intitulados com os quilômetros da corrida da São Silvestre. O hábito de correr fez parte do processo da cura para Ricardo. Dizem por aí que correr faz bem para a alma.

Ao avançar a leitura, é inevitável a pergunta: o que é ficção e realidade? O autor apresenta de maneira competente que estes dois elementos podem se misturar, dificultando a nós, leitores, traçar o limite exato onde a ficção começa e a realidade termina, ou vice-versa. Para deixar essa dúvida ainda mais latente, o autor recorre a fotos do seu próprio arquivo, que são colocadas ao longo do romance, deixando-o ainda mais nebuloso. Um recurso incrível e íntimo que torna a narrativa ainda mais interessante e bastante particular. Além disso, Ricardo Lísias dá um toque metalinguístico no final, mostrando que… bem, não posso falar aqui. Taí, depois de Dom Casmurro, Divórcio é meu novo romance nacional favorito.

E para variar, dessa vez resolvi aparecer na foto.

Ricardo Lísias entrou para a polêmica seleção de melhores jovens escritores brasileiros na Revista Granta (“Longe Daqui”).

Destaques:

[1] “Não lembro como voltei para o cafofo nem como passei a manhã do quinto dia. Quando por fim liguei o celular, havia quatro mensagens do Marcelo. Ele estava muito preocupado. Tudo bem, respondi. Ele replicou imediatamente: me manda uma mensagem a cada duas horas.”

[2] “Ela sabe de tudo o que me aconteceu. Algumas pessoas têm o desastre colado à pele que lhes resta e o identificam por aí. A moça do balcão também: você supera. Ramona concorda. Vai passar, bobo.”

[3] “Tenho trinta e seis anos e uma renda, há algum tempo, que me permite figurar entre os privilegiados. Mesmo assim, nunca fiz nenhuma aplicação financeira. Não guardo dinheiro. Compro livros com tudo o que me sobra. Jamais quis ter um carro ou me preocupei em comprar uma casa. Já gostei de algumas mulheres e ainda vou encontrar um grande amor para ter filhos e passar o resto da vida. Quanto aos objetos, como um tudo, sempre fui muito constante: gosto apenas de livros. Tenho doze mil e pretendo aos sessenta anos ter multiplicado meu acervo por dez.”

Anúncios

Sobre carolinayji

Desde que me conheço por gente, há algumas décadas, sou eu.
Esta entrada foi publicada em Ricardo Lísias. ligação permanente.

4 respostas a Divórcio

  1. “Quem dá alguma chance para o amor fica vulnerável” (Lísias, Ricardo)

    Gostei da sua resenha de Divórcio, mas a minha leitura o brilho de divórcio está na maneira como autor mostrou as voltas e voltas que a mente dá para que possamos esquecer um momento/uma pessoa/um relacionamento. Algumas vezes há raiva. Outras vezes há solidão. Em algumas e pena, e o medo de perder. Em outras a razão e a vontade de recuperar. Há momentos em que uma frase, apenas uma frase é martelada, martelada, martelada! Aaaaaahhh Notre Dame!!! Um tempo depois essa frase ganha um contexto, de maneira que um parágrafo ganha outro, que por sua vez ganha um nexo. No final, da ex é um personagem. Não é ela. Ela não existe, as amigas não existem. Estão te monitorando? Eles também não existem! Só existe o personagem, e este só existe na mente do autor.

    Enfim, o livro é maravilhoso sim. Não posso dizer que tomou o posto de “O favorito” na minha lista, mas com certeza está bem lá no topo. =)

  2. F diz:

    O Lísias tem um estilo único, que eu adoro. Se você gostou dessa linha, eu sugiro que leia “Reprodução”, do Bernardo Carvalho, e “Digam a Satã que o recado foi entendido”, do Daniel Pellizzari. São livros igualmente loucos, divertidos e impactantes. Menos louco, mas também diferente, em especial pela composição das personagens, é “Cordilheira”, do Daniel Galera. 🙂

  3. Daiane diz:

    Um autor pra eu conhecer em 2014! 😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s