O Pequeno Príncipe

O Pequeno Príncipe
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Editora: Agir
Ano: 2009
Edição: 48ª
Páginas: 96
Original: Le Petit PrinceImagem

É, finalmente li O Pequeno Príncipe.

Uma das memórias da minha longínqua infância é assistir aos episódios que passavam no SBT baseados no livro do Pequeno Príncipe. Lembro da rosa, do príncipe, do planeta, e acho que até da raposa.

Aos trinta anos, deparei-me com essa falta de bom senso que havia dentro de mim: nunca tinha lido O Pequeno Príncipe. Acho que nunca dei bola pro Le Petit Prince porque o estigma de que toda mulher bonita com intuito de ser miss tinha a obrigação de ler se quisesse tornar-se uma miss. É, eu nunca fui bonita e nunca quis ser miss. Agora afirmo com convicção que ainda não entendi por que este livro povoa o imaginário coletivo missólogo.

O livro tem um tom ingênuo, que me deixou intrigada durante toda a leitura, por justamente apresentar-se tão básico e ao mesmo tempo tão complexo e misterioso. Possui uma narrativa com um tom poético um pouco melancólico. Quem não conhece o célebre axioma “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”? Muitos acreditam que é um livro para crianças. Acho que de certo modo, é também para nós, adultos, pois todo homem carrega dentro de si o menino que já foi um dia. Ou ao menos, deveria.

Narrada por um aviador, que caiu com seu avião no Deserto do Saara por causa de uma pane, e que se depara com um Pequeno Príncipe, uma criança que não desiste de perguntar até que ouça a resposta. Conhecemos a trajetória deste Pequeno Príncipe e os vários planetas que visitou. Em cada um destes países, existe uma lição de moral, um aprendizado para o leitor. O livro retrata o valor da amizade, o cativar, o entender, o cuidar e o respeitar. É uma obra infantil, mas decerto, madura em sua essência. Algumas mensagens subliminares são postas no livro, e muitos que leram apenas uma vez, não devem ter captado a essência que é a maturidade exposta na obra.

Na edição que ganhei, constam as aquarelas oficiais feitas pelo próprio Antoine de Saint-Exupéry, com alguma citação do texto. Há uma versão ainda mais delicada e especial deste livro, com as gravuras em relevo. Ideal para crianças e adultos que sabem apreciar os ensinamentos desta espécie de “cartilha dos sentimentos”.

Uma curiosidade é que há boatos que Antoine de Saint-Exupéry tenha visitado Natal (Rio Grande do Norte) pilotando um avião de guerra, e que plantou uma árvore chamada baobá, antes de escrever o livro.

Destaques:

[1] “- Quando a gente anda sempre em frente, não pode mesmo ir longe…”

[2] “É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas.”

[3] “Mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo…”

[4] “Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz.”

[5] “– Adeus – disse a raposa. – Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.”

[6] “– Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

Anúncios

Sobre carolinayji

Desde que me conheço por gente, há algumas décadas, sou eu.
Esta entrada foi publicada em Antoine de Saint-Exupéry. ligação permanente.

Uma resposta a O Pequeno Príncipe

  1. Clássico. Lembro de ter uma edição quando pequeno, mas infelizmente o tempo deu cabo dela. Acho que comprarei um novo, pois é um livro que merece ser lido e relido.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s