As Aventuras de Pi

As Aventuras de Pi

Autor: Yann Martel
Editora: Nova Fronteira
Ano: 2012
Edição: 1
Páginas: 371
Original: Life of Pi

Imagem

Comecei a ler o livro sem uma motivação aparente, já que a sinopse não me prendeu e a capa do livro era a capa do DVD do filme, que me atraiu tampouco. Ganhei o livro e deixei na mochila. A sorte foi que não desfiz a mochila e levei-a comigo para a prova de vestido de noiva da minha irmã, atividade que me interessa tanto quanto. Brincadeira.

Já no início do livro, o enredo mostra-se filosófico e religioso, dois assuntos que me interessam bastante, principalmente quando abordados de forma ecumênica. O protagonista é Piscine Molitor Patel, ou para os mais íntimos, Pi. É, Piscine, de Piscina mesmo. Este nome excêntrico foi dado por seu tio em homenagem a uma piscina pública na França (que realmente existiu, e foi fechada em 1989), onde costumava nadar.

A história é contada em flashback, já por seu personagem adulto, e narra seus dias durante a infância; desde a vida na Índia, onde seu pai administrava um zoológico, passando pelo naufrágio do barco que tinha como destino o Canadá.

O tema central da história, é como Pi sobreviveu a 227 dias de naufrágio em um pequeno bote, acompanhado de animais selvagens como um macaco, uma hiena, uma zebra e um tigre de bengala, o temido Richard Parker. É fato que Pi sempre foi dotado de fé, muita fé, assunto fortemente discutido no início do livro, quando ele permeia entre as religiões hindu, cristã, muçulmana e judaica, o que faz com que pegue um pouco de cada doutrina para si.

É uma jornada que beira o surreal e apresenta como pano de fundo a metamorfose do extraordinário e da fé. Seu final é realmente angustiante, denso e surpreendente. A história me comoveu bastante, e reli seu final três vezes. Fica a pergunta para você que leu o livro: a metáfora foi criada, ou a superação de limites existiu de fato? Cabe a você olhar para dentro de si mesmo e responder esta pergunta.

Este livro (originalmente escrito em 2001) baseou o filme, homônimo, que concorreu ao Oscar em 2013. Disputou 11 categorias, vencendo as de Diretor (com o ótimo Ang Lee), Melhor Fotografia, Melhores Efeitos Visuais e Melhor Trilha Sonora. A polêmica acerca do livro tem origem no ano de seu lançamento, quando Martel foi acusado de plágio, por conta do romance brasileiro Max e os felinos, de Moacyr Scliar (morto em 2011). Talvez na época não tenha dado a merecida atenção ao caso, já que era apenas uma adolescente preocupada com o vestibular para Engenharia. Mas as indicações para o Oscar fomentaram e trouxeram novamente à tona a questão do plágio das ideias. No livro Max e os Felinos, Scliar narra a história de um menino judeu e um jaguar em um barco. Sim, histórias parecidas, mas neste momento, ainda não posso dar meu parecer, uma vez que ainda não li Scliar.

Destaques:

[1] “(…) Na vida, é importante concluir as coisas do modo certo. Só então a gente pode deixar aquilo para trás. Caso contrário, ficamos remoendo as palavras que podíamos ter dito, mas não dissemos, e o nosso coração fica carregado de remorso. Aquela despedida malfeita me magoa até hoje (…)”

[2] “A dor foi tamanha que não senti nada. Bendito seja o choque. Bendita seja essa parte de nós que nos protege da dor e do sofrimento excessivos. No coração da vida, tem uma caixa de fusíveis.”

[3] “(…) Quando já se passou por muita coisa ruim na vida, cada dor adicional acaba sendo, a um só tempo, insuportável e insignificante. A minha vida é como um ‘memento mori’ pintado por algum artista europeu: há sempre uma caveira sorridente ao meu lado para me lembrar que a ambição humana é uma bobagem. Debocho dessa caveira. Olho para ela, dizendo: “Você pegou o cara errado. Pode não acreditar na vida, mas eu não acredito na morte. Vá embora!” A caveira dá uma risadinha e chega ainda mais perto de mim, o que não me espanta. Se a morte anda tão grudada à vida não é por uma necessidade biológica – é por ciúme. A vida é tão linda que a morte se apaixonou por ela, e é um amor ciumento, possessivo, que tenta controlar o que pode. Mas a vida escapa a esse controle com a maior facilidade, perdendo apenas uma coisinha ou outra sem grande importância e, para ela, a tristeza nada mais é que a sombra passageira de uma nuvem.”

Anúncios

Sobre carolinayji

Desde que me conheço por gente, há algumas décadas, sou eu.
Esta entrada foi publicada em Yann Martel. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s